ALCEU VALENÇA CRÍTICA MULTICULTURALISMO EM CARNAVAL PERNAMBUCANO

Foto: UOL

Foto: UOL

“Sempre tive relação muito problemática com gravadoras e produtores”, diz Alceu Valença em entrevista exclusiva ao UOL. O artista, que encerra a folia no Marco Zero, principal palco do Carnaval do Recife, afirma que identidade da música brasileira está seriamente ameaçada.

“Estão vendendo gato por lebre”, afirma o artista. “Inventou-se agora o conceito de multiculturalismo, que é uma forma de enfiar qualquer coisa em festas populares como São João e Carnaval”.

Ele, entretanto, ressalta Pernambuco como exceção. “O que vejo aqui é preservação, em Olinda, por exemplo, folia é embalada por cancioneiro centenário”.

Mas ele vê o fenômeno ocorrendo em outras regiões do país. Equivale a colocar numa festa junina um fado português, diz Alceu. “Tem muito artista de forró, de brega, de rock, querendo entrar no Carnaval”. A porta para que entrem são as tais festa multiculturais antes ou durante a folia, acrescenta.

Ele compara cenário aos pacotes turísticos de resorts, que oferecem tudo incluído. “A pessoa não quer perder nada, come além da necessidade, porque não pode perder aquela mesa farta”.

“Veja a situação a que chegaram os programas de televisão, nada contra nada, tudo pode existir, há uma glamourização do lixo cultural”. Alceu diz que apologia à falta de cultura atende interesses da indústria do entretenimento. “Quanto mais burro, melhor para o sistema”, dispara Alceu. A área da cultura brasileira, na opinião do músico, carece de curadoria.

Novo modelo de jabá
Ele também denuncia novo modelo de jabá que assola o mercado de rádios no nordeste, e que começa a chegar a outras regiões do país. “O jabá hoje se transformou numa outra coisa”, diz.

Ele explica que donos de rádio compram bandas e músicas para tocar nelas, para ganhar também com o direito autoral. “Tudo que entrar será lucro”, comenta. “Depois eles fazem um jogo entre eles, donos de rádios, para que um toque a música do outro”. Desta forma, segundo ele, criou-se um cartel que domina o mercado com uma ‘música sem alma’, ou ‘fuleirage music’, como também ficou conhecida, diz Alceu.

Rompimento com gravadoras
Por sua postura crítica e independente, Alceu há décadas se afastou de gravadoras. O produtor atual é um músico que toca com Alceu. “Ele não pode me exigir nada e nem vai querer me manipular”, justifica.

O rompimento com as gravadoras aconteceu em 1987. O músico acusa a gravadora RCA de cooptar artistas, na época, só para tirá-los de circulação e abrir espaço para o ‘brega’, novo gênero que seria lançado.

“Eu, Chico Buarque, Fafá de Belém, e outros artistas, foram contratados para ir pra gaveta, para poderem lançar outro tipo de produto que interessava ao diretor artístico”.

Alceu conta que a gravadora chegou a sugerir que ele mudasse repertório. “Pediam para cantar músicas bregas e outras”. O objetivo era trazer para o Brasil produtos mais semelhantes ao americano.

“Em três anos ganhei apartamento, hospedagem em hotel cinco estrelas, com tudo pago em minha vida, mas calaram minha música”. O mesmo aconteceu com todos os artistas contratados, prossegue o artista. “Por isso rompi com a indústria”, observa.

Novos meios de difusão
Na época, Alceu relembra que começava carreira na Europa, mas conta que resolveu retornar e “ganhar o Brasil, mesmo sem ter empresa por trás”. O caminho para isso ele diz que foi ir para todos os cantos e fazer a cabeça de fãs que vão aos shows. “Um diz ao outro e público vai aumentando”.

“Em Brasília já botei 27 mil pagantes em show”, diz Alceu, orgulhoso por ter conquistado público, mesmo aparecendo pouco na mídia. “No ano passado fiz 89 shows, quatro na Europa”.

O artista conta que a divulgação foi toda feita pela internet e redes sociais com vídeos produzidos em aparelho celular. “Em Portugal casa ficou lotada todos os dias, conversei com pessoas vindas da Espanha, que souberam do show pela internet”.

Um dos nomes mais importantes no Carnaval do Recife, Alceu Valença abre o encerramento da folia, no Marco Zero às 0h50. O artista abre o show com “Homem da Meia Noite” e em seguida emenda grandes sucessos como “Bicho Maluco”, “Bom Demais”, entre outros.

Depois do Carnaval no Recife, Alceu Valença apresenta em São Paulo o espetáculo “Valencianas”, com a Orquestra de Ouro Preto, nos dias 21, 22 e 23, no Sesc Vila Mariana.

Do Portal UOL
http://www.uol.com.br

Anúncios

Sobre Interior Informa

UM NOVO MUNDO REQUER NOVOS MEIOS

Publicado em março 5, 2014, em Carnaval, Pernambuco, Uncategorized e marcado como , , , , . Adicione o link aos favoritos. Deixe um comentário.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

Viagem: Na Ponta do Lápis

Blog de viagens com dicas de alimentação, hospedagem e roteiro

Interferência Urbana

O cinza e a cor

Criaturas de Ñanderu: Releituras

Espaço para partilha de resultados do trabalho em torno do livro Criaturas de Ñanderu, escrito pela autora indígena Graça Graúna e ilustrado por José Carlos Lollo

Falando em Literatura...

só boa literatura desde 2008

Brasil de Todo Mundo

Apresentando o Brasil para gente de todo o mundo

paisagem de interior

Um Novo Mundo Requer Novos Meios - Blog Interior Informa

Mundo da Robótica

Fazendo a ponte entre a teoria e a prática.

Educação Política

mídia, economia e cultura - por Glauco Cortez

Blog do EVALDO TEIXEIRA

Opinião, Política, Variedades, Religião...

INTERIOR INFORMA

Um novo mundo requer novos meios.

RUBEM

Revista da Crônica - Notícias, entrevistas, resenhas e textos feitos ao rés-do-chão.

%d blogueiros gostam disto: