Arquivo mensal: agosto 2015

MEGA OPERAÇÃO PRENDE QUADRILHA QUE ATUAVA EM PERNAMBUCO E ALAGOAS

OPERAÇÃO HERMES.

Vinte e uma pessoas foram presas na manhã desta quarta-feira (26) acusadas de integrar uma organização criminosa que agia praticando assaltos em diversos municípios nos estados de Alagoas e de Pernambuco. O principal alvo da quadrilha eram comerciantes que compram e vendem confecções e que negociam gado. Armas, munições, drogas e veículos roubados foram apreendidos com os criminosos.

Cerca de 250 policiais rodoviários federais, militares e civis dos dois estados, além do Grupo Estadual de Combate às Organizações Criminosas (GECOC) do Ministério Público (MP/AL) participaram do cumprimento de mandados de prisão e de busca e apreensão.

A ação integrada ainda envolveu as Secretarias de Defesa Social e de Ressocialização dos dois estados, além dos Ministérios Públicos estaduais e da 17ª Vara Criminal de Alagoas.

As ordens judiciais foram cumpridas nas cidades de Garanhuns, Lajedo, Agrestina, Jurema, Panelas e Caruaru, em Pernambuco, e também em Maceió e União dos Palmares, em Alagoas.

A quadrilha presa é considerada muito perigosa devido a quantidade de pessoas envolvidas e ousadia na prática de seus crimes. Estima-se que nos últimos quatro meses os produtos roubados já ultrapassam a quantia de R$ 1 milhão.

AÇÃO DA QUADRILHA

As principais características da quadrilha presa durante a Operação Hermes são a organização do grupo e a divisão de tarefas entre os integrantes. Havia aqueles que guardavam as armas, os que escondiam e receptavam o produto do crime, os que forneciam munições e também os que agiam diretamente nos assaltos. Para encobrir os ilícitos eles ainda usavam documentos falsos e placas frias.

Antes de praticar qualquer roubo, eles planejavam a ação e chegavam a estudar os alvos, observando horários de deslocamento e companhias. O planejamento também girava em torno da preparação para um possível confronto com a polícia ou reação das vítimas, usando coletes balísticos e colocando placas de aço nas carrocerias dos automóveis e nos capacetes utilizados pelo bando para se protegerem de possíveis disparos de armas de fogo.

pelo menos quatro registros de troca de tiros entre os integrantes e a polícia entre os meses de março e julho de 2015, e de um latrocínio, que ocorreu em Quipapá/PE, em 13 de julho. Nesse último crime, o motorista de uma Van foi executado ao sacar uma arma e disparar em direção ao líder do bando, que estava de colete. Após ser atingido, o cabeça da quadrilha deu três tiros na vítima, que morreu no local.

Alguns dos materiais usados para a blindagem do bando foram apreendidos no último dia 17 de agosto, pela PM/PE, após uma denúncia na zona rural de Garanhuns. No local, foi encontrado e apreendido um veículo Fiat Strada roubado. O automóvel estava com uma placa fria e dentro da caçamba haviam barricadas de aço, além de escudos de proteção e chapas para blindar capacetes.

Fonte: PRF/PE

PRESOS EM GARANHUNS

Em Garanhuns  foram presas, de acordo com a Rádio Jornal, as seguintes pessoas

Edson Vilela Ferreira
Adelson Vitor de Almeida (candidato a vereador em Caetés e presidente do PV)
Márcio Santos de Almeida
José Murilo Ferro (cb da PM lotado em Garanhuns)
Alessandra Maria
Renata Pereira
Valdemir de Araújo

Com Informações do Blog V&C Garanhuns

Anúncios

“ELES E ELAS” DIREITOS E DEVERES

“ELES E ELAS”
Vídeo adaptado para lançamento no CINE SESI Cultural Pernambuco, ocorrido no dia 08 de Agosto, na cidade de São João.
Uma produção dos Estudantes da EREM João Fernandes da Silva.

ANGELIM: Desfile de Moda e muita Música no Balada VIP

11230113_872442289499701_7958807755182603307_n

O SESC traz, nesta terça (18), o Escritor Antônio Torres para Garanhuns

Antonio Torres - escritor

“Com a palavra, o escritor”

O SESC, através do Laboratório de Autoria Literária Luzinette Laporte, traz para Garanhuns, na próxima terça (18), um dos nomes mais importantes da literatura contemporânea, o premiado escritor Antônio Torres, membro da Academia Brasileira de Letras e autor de 17 livros, entre romances, contos, crônicas, infantis, perfis e memórias.

O encontro acontecerá no Salão de Eventos do Sesc Garanhuns, a partir das 19h30min.

Fontes:

Marcilene Pereira

Pedro Francisco Teixeira

RETROSPECTIVA: São João das margens plácidas

Foto: Portal Vale a Pena Ver São João

Foto: Portal Vale a Pena Ver São João

Artigo publicado no mês de Julho do ano de 2013.

A Prefeitura juntamente a Secretaria de Educação, Cultura e Desportos enviou ao Poder Legislativo um projeto para criação do Hino Oficial do Município. O Blog está acompanhando todo o processo, relembre a matéria na íntegra.

Esta semana lembrei-me de um fato inusitado e, ao mesmo tempo, questionável. Foi simples e momentâneo e que pouco me valeu no momento, mas instantes depois me fez pensar e buscar entendê-lo.

Visitei nossa Escola Municipal João de Assis Moreno juntamente com um amigo e ex-colega de classe do período em que lá estudei. Conversamos brevemente sobre o tempo em que fomos alunos daquela instituição e recordamos algumas situações vexantes e de malandragens típicas dos estudantes, mas que hoje pouco nos agrada. E nas passadas entre os corredores da escola, deparamo-nos com a placa de mármore dedicada à nossa turma na época da conclusão e pudemos enxergar nossos nomes inolvidáveis gravados sob a tela de vidro, e rápido nos lembrou de que ainda há pouco a parede ao lado da placa ostentava um grande banner, o qual continha de forma grandiosa o hino da escola e seus versos memoráveis. Logo depois de arrancar alguns versos mal cantados de nossa memória falha, meu amigo então me olhou e, como que ansioso, perguntou: “E como é que se canta o hino de São João?”

Silêncio…

Queria poder ter dito que não lembrava ou até mesmo que não sabia – isso de forma alguma me envergonharia –, mas ao invés disso o encarei e falei “São João não tem hino”. Ele apenas fez uma efêmera cara de surpresa antes de retomarmos o propósito da visita. No entanto, mais tarde essas curtas palavras voltaram ecoar em minha mente, fazendo surgir uma pesada interrogação em minha cabeça.

Tentei lembrar-se de quantos anos nossa cidade tem e me assustei quando descobri que não sabia. Pouco mais de cinquenta, apenas disso me recordei. Pouco mais de cinquenta anos de história e durante todo esse tempo ninguém se preocupou em criar um hino para nossa cidade, para homenageá-la e diferenciá-la das demais. O que cantamos no dia em que comemoramos a sua emancipação? Levantamos a bandeira do Brasil sob o hino brasileiro, a de Pernambuco sob o pernambucano e a de São João… Bem, será que repetimos o Hino Nacional? Infelizmente também não sei, pois nunca cheguei a participar de um evento como esse. O fato é que nossos fundadores deram apenas o pontapé inicial e esperavam que seus sucessores abraçassem seus ideais e prosseguissem com os devidos feitos. Infelizmente, percebe-se que a preservação da memória histórico-cultural de nossa cidade caiu no esquecimento ao longo das décadas e hoje esse assunto nem sequer surge em pautas políticas.

Para muitos isso se trata de uma besteira, e é esse tipo de comentário que me faz perceber o grau de insignificância que muitos de nossos conterrâneos dão à nossa cidade. Quantos de nós sabemos ao menos uma parcela significativa sobre a história do nosso município? Quantos professores se preocupam em transmitir aos seus alunos o básico sobre a cidade de São João? Quantos de nós sabemos, de fato, quantos anos São João tem?! E quem aí (desde que não tenha sido funcionário público) já participou de algum momento solene em comemoração ao aniversário da cidade?

Os números sem dúvida serão escassos e, certamente, a preguiça de ler levará muitos a abandonar este artigo logo após as perguntas acima, ou quem sabe já tenha feito isso logo nas primeiras linhas, o que reduzirá significativamente o número de pessoas atingidas.

Devemos nos perguntar por que somos assim. Por que não valorizamos o que é nosso? Por que pouco nos preocupamos em preservar nossa história e cultura? Por que sempre que estamos em um lugar diferente e que nos perguntam onde moramos respondemos “Garanhuns” ou “São João de Garanhuns”? Onde fica nossa cidade nessa história toda? Não é porque ela não existe no mapa que devemos apagá-la da memória ou jogá-la no esquecimento.

Que bom seria que um dia pudéssemos ser lembrados por uma característica só nossa, que nos distinguisse dos demais municípios de forma memorável, além da agricultura. Mas para isso, para que as pessoas possam olhar para São João e associá-lo a algo bom, primeiramente nós, como residentes e frutos da nova geração social que traz consigo um amadurecimento de ideais e uma visão renovadora, devemos olhar para nossa cidade e enxergar seus pontos positivos e disseminá-los. E, já que nos encontramos tão defasados e negligenciados, temos de tentar construir esse legado pelos alicerces, buscando recuperar o perdido e preencher as lacunas esquecidas. Quem sabe nesses anos não estaremos nos reunindo no dia 25 de novembro em local propício, bradando nosso futuro Hino Municipal. Enquanto não, qualquer um de nós pode parar frente ao açude municipal, admirar seu imenso espelho verde que reflete o céu e arriscar alguns versos do tipo “Salve, ó São João das margens plácidas!”.

Artigo de Lucas Santos, editor.

Viagem: Na Ponta do Lápis

Blog de viagens com dicas de alimentação, hospedagem e roteiro

Interferência Urbana

O cinza e a cor

Criaturas de Ñanderu: Releituras

Espaço para partilha de resultados do trabalho em torno do livro Criaturas de Ñanderu, escrito pela autora indígena Graça Graúna e ilustrado por José Carlos Lollo

Falando em Literatura...

só boa literatura desde 2008

Brasil de Todo Mundo

Apresentando o Brasil para gente de todo o mundo

paisagem de interior

Um Novo Mundo Requer Novos Meios - Blog Interior Informa

Mundo da Robótica

Fazendo a ponte entre a teoria e a prática.

Educação Política

mídia, economia e cultura - por Glauco Cortez

Blog do EVALDO TEIXEIRA

Opinião, Política, Variedades, Religião...

INTERIOR INFORMA

Um novo mundo requer novos meios.

RUBEM

Revista da Crônica - Notícias, entrevistas, resenhas e textos feitos ao rés-do-chão.